Vale dita viés negativo da Bovespa no dia e em março

terça-feira, 31 de março de 2015 18:15 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - A Bovespa teve leve baixa nesta terça-feira, no fim de sessão volátil, com o avanço de bancos e Petrobras contrabalançando a pressão da Vale, após nova mínima recorde do minério de ferro.

O Ibovespa caiu 0,18 por cento, a 51.150 pontos. O volume financeiro do pregão somou 6,75 bilhões de reais.

No mês, o índice caiu 0,84 por cento. Mas no trimestre, o principal índice da bolsa paulista subiu 2,29 por cento.

Para efeito de comparação, a bolsa do México acumulou queda de 1,05 por cento em março e subiu 1,34 por cento no trimestre e o índice MSCI para mercados emergentes caía 1,5 por cento e subia 2 por cento, respectivamente.

Em dólar, contudo, o Ibovespa contabilizou declínio de 14,7 por cento no trimestre, período em que a moeda norte-americana avançou 20 por cento frente ao real. O índice acionário mexicano teve desvalorização de 1,97 por cento em dólar.

Para o gestor e sócio na Principia Capital Management Marcello Paixão, o desempenho do Ibovespa em março só não foi pior em razão da sinalização mais tranquila em termos de juros do Federal Reserve.

Segundo ele, a Bovespa segue bastante vulnerável às commodities, em meio à desaceleração e mudança de perfil de crescimento na China.

Em março, a maior queda do Ibovespa foi registrada por ALL, que será substituída a partir do dia 1º de abril pelos papéis da Rumo, dando continuidade ao processo de união entre as companhias.   Continuação...