Grécia age para abrandar temores de default e promete cumprir "todas as obrigações"

segunda-feira, 6 de abril de 2015 08:36 BRT
 

Por Anna Yukhananov

WASHINGTON (Reuters) - O ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, afirmou no domingo que a Grécia "pretende cumprir todas as obrigações com todos os seus credores, ad infinitum", buscando acalmar os temores de default antes de um grande pagamento de empréstimo que Atenas deve ao FMI nesta semana.

Após reunião com a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Varoufakis disse a repórteres que o governo planeja "reformar a Grécia profundamente" e que vai buscar melhorar a "eficácia das negociações" com seus credores.

A Grécia não recebe recursos de resgate desde agosto do ano passado e tem recorrido a medidas como empréstimo de entidades estatais. O país ofereceu um novo pacote de reformas na semana passada na esperança de desbloquear recursos, mas ainda não recebeu aprovação das propostas de seus credores, a União Europeia e o FMI.

Atenas tem que realizar o pagamento de 450 milhões de euros ao FMI na quinta-feira por um empréstimo.

O ministro do Interior sugeriu na semana passada que o governo iria priorizar salários e aposentadorias em vez do pagamento ao FMI, mas o governo depois negou que essa seria sua postura.

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, disse em comunicado após reunião com Varoufakis que comemorou a confirmação por ele de que o pagamento do empréstimo vai ser feito no prazo.

Ela afirmou ainda que negociações com equipes em Bruxelas sobre os termos do resgate da Grécia serão "retomadas prontamente na segunda-feira".

O país da zona do euro está rapidamente ficando sem dinheiro, mas o resgate prorrogado pelo FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu está congelado até que o governo alcance um acordo sobre um pacote de reformas.

(Reportagem adicional de Renee Maltezou em Atenas e Tim Ahmann em Washington)

 
Ministro das Finanças grego, Yanis Varoufakis, durante sessão no parlamento grego, em Atenas.  02/04/2015  REUTERS/Alkis Konstantinidis