Cuba diz que empresas dos EUA não terão tratamento preferencial

segunda-feira, 6 de abril de 2015 16:18 BRT
 

HAVANA (Reuters) - As empresas norte-americanas devem esperar o mesmo tratamento daquelas do restante do mundo, e não receberão benefícios ou punições especiais, se houver uma abertura comercial adicional entre Cuba e os Estados Unidos, disse o ministro cubano do Comércio Exterior.

“Os empresários dos EUA irão usufruir do mesmo tratamento que é oferecido ao resto do mundo que tem laços com a ilha hoje”, declarou o ministro Rodrigo Malmierca em uma entrevista publicada na mídia oficial cubana nesta segunda-feira.

“É verdade que veremos com bons olhos, assim que as leis norte-americanas permitirem, que eles poderão negociar e investir. Mas isso não implica um tratamento preferencial”, observou Malmierca.

Em dezembro passado, EUA e Cuba anunciaram que o restabelecimento das relações diplomáticas e buscar a normalização do comércio e das viagens, interrompidos mais de 50 anos atrás, durante a Guerra Fria.

O presidente norte-americano, Barack Obama, relaxou partes do embargo econômico de seu país contra Cuba. Embora tenha autoridade para fazer mais, ele precisa do Congresso, controlado pelos republicanos, para retirar o embargo definitivamente.

A abertura já despertou um enorme interesse de empresas dos EUA dispostas a entrar em um mercado fechado há tanto tempo, mas mesmo com o relaxamento do embargo elas precisam do assentimento do governo cubano ou de uma estatal da ilha para fazerem negócios no país vizinho.

(Por Daniel Trotta)