Fitch prevê queda na lucratividade dos bancos brasileiros em 2015, Fitch

segunda-feira, 6 de abril de 2015 20:47 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A lucratividade dos bancos brasileiros diminuirá em 2015, refletindo o aumento das despesas com provisões para calotes, em meio a um cenário econômico menos favorável, apontou a agência de classificação de risco Fitch em relatório emitido nesta segunda-feira.

A redução da lucratividade dependerá da capacidade de cada banco de sustentar as margens líquidas, disse a Fitch, acrescentando que acredita que as instituições públicas deverão ser mais afetadas, embora em níveis administráveis.

"Os bancos brasileiros enfrentarão mais pressões sobre a qualidade de seus ativos e crescentes despesas com créditos", afirmou a agência, citando fraca expansão econômica, aumento do número de setores em dificuldades, repercussão da operação Lava Jato, riscos de aumento do desemprego, da inflação e das taxas de juros, além do alto endividamento familiar e do aperto fiscal.

Pelas contas da Fitch, o volume reservado pelos bancos para lidar com inadimplência deve crescer 30 por cento neste ano em relação ao ano passado. O relatório avalia que os grandes bancos privados, especialmente Itaú Unibanco e Bradesco, provavelmente terão mais sucesso ao compensar o aumento dos custos de crédito com taxas de juros mais altas.

Já o BTG Pactual, por estar mais exposto à volatilidade devido ao seu perfil de banco de investimento, e o Santander Brasil são ligeiramente mais vulneráveis, considerou a Fitch.

Com relação ao bancos públicos, a Fitch tem uma visão mais negativa, já que estes têm tido lucratividade menor que as instituições privadas. Por isso, devem passar por tensão relativamente maior devido às despesas de provisionamento maiores.

"As despesas de provisionamento provavelmente consumirão parcela relativamente maior dos ganhos ... do que anteriormente", afirmou a agência.

(Por Aluísio Alves)

 
Homens caminham diante de sede da Fitch em Nova York. 06/02/2013. REUTERS/Brendan McDermid