Ataques cibernéticos destrutivos são mais comuns que roubo de dados nas Américas, mostra pesquisa

terça-feira, 7 de abril de 2015 09:06 BRT
 

SAN FRANCISCO (Reuters) - Ataques cibernéticos que destróem mais do que roubam dados ou que manipulam equipamentos são mais comuns do que se acredita, de acordo com pesquisa com organizações de infraestrutura crítica realizada na América do Norte e do Sul.

A pesquisa feita pela Organização dos Estados Americanos (OEA), a ser lançada nesta terça-feira, descobriu que 40 por cento dos consultados enfrentaram tentativas de derrubada de suas redes de computadores, 44 por cento lidaram com tentativas de deletar arquivos e 54 por cento encontraram "tentativas de manipulação" de equipamento por meio de um sistema de controle.

Esses números são memoráveis uma vez que apenas 60 por cento dos 575 consultados disseram ter detectado tentativas de roubos de dados, considerados há tempos o principal objetivo dos ataques cibernéticos.

O mais destrutivo ataque em solo norte-americano foi o do ano passado contra a Sony Pictures Entertainment, da Sony, que vazou dados das máquinas de Hollywood e deixou algumas de suas redes internas inoperantes.

A comoção com esse vazamento, à qual se somou o presidente Barack Obama, mostrou a percepção de que a destruição de dados era um extremo incomum, apesar de ser antecipada há anos.

A destruição de dados apresenta menos desafio técnico comparada à penetração da rede, por isso a menor publicidade para esses eventos frequentemente tem sido descrita como uma desmotivação para os hackers.

Agora que ferramentas hackers estão sendo espalhadas de forma mais ampla, mais criminosos, ativistas, espiões e rivais nos negócios estão testando tais métodos.

"Todos ficaram ultrajados com a Sony, mas mais vulneráveis são os serviços dos quais dependemos diariamente", disse Adam Blackwell, secretário de segurança multidimensional em Washington do grupo de 35 nações.

A pesquisa consultou companhias e órgãos públicos em setores cruciais definidos por membros da OEA. Cerca de um terço dos consultados eram entidades públicas, com comunicações, segurança e finanças sendo os setores mais representados.

(Por Joseph Menn)