Mercado de capitais brasileiro está perto de reabrir, vê Bradesco BBI

terça-feira, 7 de abril de 2015 16:26 BRT
 

Por Aluísio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado de capitais está prestes a reabrir para empresas brasileiras, com investidores estrangeiros atentos ao ajuste fiscal do país e aos preços mais atrativos devido à depreciação cambial, disse um executivo do Bradesco nesta terça-feira.

O Bradesco BBI, braço de banco de investimentos do Bradesco, está coordenando cerca de 20 bilhões de reais em emissões de instrumentos de renda fixa e ações, disse à Reuters o diretor-executivo adjunto do Bradesco, Renato Ejnisman, durante o Brazil Investment Forum, evento do Bradesco BBI.

"Nos últimos meses, os investidores estrangeiros estavam completamente avessos a Brasil; agora estão monitorando mais de perto", disse Ejnisman.

O executivo evitou citar operações específicas, mas o Bradesco BBI é um dos coordenadores da oferta subsequente de 15,8 bilhões de reais da Telefônica Brasil, que está em análise na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e também da oferta inicial de ações da FPC PAR Corretora de Seguros.

Segundo Ejnisman, mesmo com a conjuntura econômica desfavorável do país, alguns fatores podem permitir uma reativação rápida do mercado doméstico de capitais, após meses de volatilidade, entre elas a estabilização do câmbio e a aprovação do ajuste fiscal pelo Congresso.

De acordo com ele, o Bradesco BBI também está assessorando uma série de operações de fusões e aquisições envolvendo empresas brasileiras.

Entre os fatores que estão concorrendo para acelerar essas transações, disse ele, estão o interesse fundos de private equity internacionais, que estão bem capitalizados. O apetite desses investidores tem crescido com a recente depreciação do real.

"Os preços dos ativos brasileiros ficaram bem mais atrativos", afirmou o executivo.   Continuação...