Cepal corta previsão de crescimento da América Latina por contração no Brasil

terça-feira, 7 de abril de 2015 22:08 BRT
 

SANTIAGO (Reuters) - A Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) afirmou nesta terça-feira que revisou para baixo sua projeção de crescimento da região em 2015 para 1 por cento, pressionada por uma recessão no Brasil e pela expansão nula da América do Sul diante de um cenário global mais complexo para o bloco.

A Cepal projeta que a economia brasileira irá encolher 0,9 por cento este ano, ante um cálculo prévio de crescimento de 1,3 por cento. Além do Brasil, a Cepal projeta entre os países da América Latina apenas da Venezuela (-3,5 por cento).

"Esta revisão reflete um ambiente global caracterizado por uma dinâmica econômica menor que a esperada no fim de 2014. Com exceção dos Estados Unidos, as projeções de crescimento foram revisadas para baixo nos países industrializados, e as economias emergentes continuam desacelerando", disse a Cepal em relatório.

Em 2014, a América Latina e o Caribe cresceram 1,1 por cento. A projeção anterior era de expansão econômica de 2,2 por cento na região este ano.

"Espera-se que a região consiga manter o crescimento econômico em torno dos níveis registrados em 2014", afirmou o organismo sediado em Santiago, no Chile.

A Cepal destacou que as particularidades das economias da região, em termos de estruturas econômicas e suas formas de inserção na economia mundial, levaram a uma importante heterogeneidade na intensidade e na forma com que foram atingidas pelos choques externos.

Assim, neste ano o México deve liderar a economia da região, com uma expansão de 3 por cento, enquanto que a Argentina deve ficar estagnada.

"As projeções de crescimento das economias especializadas na produção de matérias-primas, em especial petróleo e minerais, são as que tiveram as maiores baixas", afirmou a Cepal.

"Aquelas (nações) de maior vínculo com a economia dos Estados Unidos, e que se beneficiam com a queda do preço do petróleo, registram as melhores projeções", acrescentou.   Continuação...