ENTREVISTA-Novo presidente do Conselho da Usiminas quer afastar briga de acionistas

quarta-feira, 8 de abril de 2015 21:35 BRT
 

Por Stephen Eisenhammer

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A briga entre os dois acionistas controladores da Usiminas, Ternium e Nippon Steel, não vai ser resolvida facilmente, mas não poderá interferir nos trabalhos do Conselho da maior produtora de aços planos do Brasil, afirmou o novo presidente do Conselho de Administração da companhia à Reuters nesta quarta-feira.

Marcelo Gasparino, advogado com ampla experiência em conselhos de várias companhias do país, afirmou que quer assegurar que nenhum dos dois grupos esteja sendo favorecido nas discussões do Conselho.

Os dois grupos travam uma batalha desde que o presidente-executivo da Usiminas Julián Eguren, que trabalhou anteriormente para a Ternium, foi demitido em setembro sob acusações de recebimento indevido de recursos da empresa. Eguren nega as acusações e a Ternium exige que ele seja reempossado, algo que a Nippon não aceita.

Gasparino frisou que o Conselho da Usiminas precisa focar em outros assuntos, que incluem principalmente redução de custos de produção diante da baixa demanda por aço no Brasil.

"Vamos poder julgar que assuntos serão discutidos nas reuniões do conselho e as coisas que criem conflito (entre Nippon e Ternium) não serão incluídas na agenda", disse Gasparino.

O executivo, que representa acionistas minoritários e afirma não estar aliado a nenhum dos lados da disputa, foi eleito presidente do Conselho da Usiminas em uma tensa assembleia realizada na segunda-feira. A Ternium está recorrendo da votação na Justiça e o acusa de estar aliado à Nippon.

"Meu papel será realmente difícil... qualquer coisa que um faz, o outro lado acusa você de ser aliado com o outro", disse Gasparino. Ele acrescentou que ambos os lados vão perceber ao longo do tempo que ele está agindo apenas nos interesses da Usiminas.

"Vamos falar de novo dentro de um ano. Tenho certeza de que poderei mostrar as vitórias que alcançamos", disse Gasparino.