ONS corta previsão de carga de energia em abril e estima queda de 0,9%

sexta-feira, 10 de abril de 2015 17:17 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O Operador Nacional do Sistema elétrico (ONS) reduziu nesta sexta-feria a perspectiva para a carga no Sistema Interligado Nacional (SIN) em abril de alta de 0,7 por cento projetada na semana passada para queda de 0,9 por cento.

Segundo o relatório Informe do Programa Mensal de Operação, o indicador custo marginal de operação (CMO), que compõe o valor da eletricidade no mercado de curto prazo (PLD), subiu em todas as regiões para a próxima semana.

No Sudeste, Centro Oeste e Sul, o CMO passou a 949,64 reais por megawatt/hora, ante 916,06 reais nesta semana. No Nordeste o subiu de 819,76 para 824,58 reais e no Norte houve salto para 218,47 reais, ante 92,03 reais.

Com isso, o PLD para a próxima semana foi mantido no teto permitido para o ano, de 388,48 reais por MWh, em todas as cargas nas regiões Sudeste/Centro-Oeste, Nordeste e Sul. Na região Norte, os valores subiram para o máximo na carga pesada, a 207,16 reais na carga média e a 171,19 reais na carga leve, informou a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

Segundo a CCEE, diante de um quadro de excedente de energia no Norte, "existe a expectativa de ocorrência de vertimento e consequente afogamento do canal de fuga da hidrelétrica Tucuruí, o que ocasiona perda de produtividade nesta usina". Com isso, houve aumento de 15 reais por MWh no preço médio do Norte. Outro fator que elevou o preço da região em 110 reais por MWh foi a expectativa de aumento em torno de 400 MW médios na carga da região.

Sobre chuvas que chegarão aos reservatórios até o fim do mês, o relatório mais recente do ONS indica cenário praticamente inalterado em relação às estimativas da semana passada.

A previsão é de afluências a 85 por cento da média histórica para o Sudeste, ante 88 por cento estimado na semana passada. Para o Nordeste, a estimativa passou de 59 para 58 por cento da média, enquanto para o Sul houve elevação de 115 para 117 por cento da média histórica de abril, último mês do tradicional período chuvoso do país.

Para o nível dos reservatórios das hidrelétricas, a expectativa para o fim do mês está se mantendo acima dos 30 por cento na região Sudeste, patamar que segundo fontes do governo será suficiente para as represas atravessarem o período de estiagem e chegarem a novembro, quando em tese voltam as chuvas, ainda acima do limite de 10 por cento.

A previsão para o Sudeste é que as represas de hidrelétricas da região terminem abril com nível operativo de 33,2 por cento, ante 30,83 por cento na quinta-feira e bem acima dos cerca de 16 por cento do início de fevereiro.   Continuação...