Ibovespa fecha abaixo dos 54 mil pts após 3 altas seguidas, mas Vale PNA sobe 5%

terça-feira, 14 de abril de 2015 17:49 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou em queda nesta terça-feira após três pregões consecutivos de alta, com os papéis de JBS e Kroton entre as principais pressões negativas. O movimento ofuscou a repercussão positiva ao anúncio da Petrobras de que avaliará o balanço auditado dia 22.

Também ficou em segundo plano o avanço dos papéis da Vale, em sessão de alta do preço do minério de ferro e expectativa sobre reunião do Conselho de Administração, bem como a disparada de mais de 7 por cento de Gol, em meio ao declínio do dólar frente ao real.

O Ibovespa fechou em queda de 0,48 por cento, a 53.981 pontos. O volume financeiro somou 6,8 bilhões de reais.

As ações da Petrobras disparam quase 4 por cento na abertura, após a estatal anunciar na noite da véspera que seu Conselho de Administração se reunirá em 22 de abril para apreciar o balanço auditado de 2014 e que espera divulga-lo após a reunião.

As ações, porém, perderam a força ao longo do dia, mesmo após ter a recomendação elevada para "compra" pelo Bank of America Merrill Lynch. No fechamento, as preferenciais marcaram alta de 1,79 por cento e as ordinárias subiram apenas 0,24 por cento.

No caso de Vale, a alta do preço do minério de ferro endossou o avanço de 5,03 por cento das preferenciais e de 2,8 por cento das ONs, em meio a expectativas acerca de reunião do Conselho de Administração da mineradora nesta terça-feia, que previa discussão sobre dividendos.

A disparada de mais de 7 por cento de Gol também chamou a atenção, com profissionais da área de renda variável incertos sobre a razão por trás do forte avanço. Para o analista do UBS Rodrigo Fernandes foi um ajuste de mercado, influenciado entre outros fatores por redução de posição vendida.

JBS caiu 5,25 por cento após o jornal O Estado de S.Paulo noticiar que a empresa teria feito repasse de pelo menos 200 mil reais à Limiar, empresa controlada pelo ex-deputado federal do PT André Vargas, preso na Operação Lava Jato. Em comunicado ao mercado, a JBS confirmou o pagamento, mas disse que foi feito dentro da legalidade.   Continuação...