EXCLUSIVO-Premiê grego diz estar confiante em acordo com UE apesar de atrito por reformas

quinta-feira, 16 de abril de 2015 11:49 BRT
 

Por Renee Maltezou e Deepa Babington

ATENAS (Reuters) - O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, disse à Reuters que está "firmemente otimista" de que seu governo chegará a um acordo com credores estrangeiros até o final de abril, apesar de discordâncias sobre questões importantes como reformas trabalhistas e de aposentadorias.

Em um comunicado, Tsipras disse que vários pontos de acordo foram alcançados desde que as negociações começaram, especialmente em áreas como arrecadação tributária, corrupção e iniciativas para distribuir o fardo de impostos àqueles que têm capacidade de pagar.

Mas admitiu que os dois lados discordaram em quatro pontos: questões trabalhistas, reforma de aposentadoria, alta em impostos sobre valor agregado e privatizações, às quais ele se referiu como "desenvolvimento de propriedade estatal", em vez de vendas de ativos.

As declarações foram dadas após sugestões de parceiros europeus de que um acordo para destravar a ajuda necessária é improvável de ser alcançado na próxima semana e que a Grécia corre o risco de ficar sem dinheiro e dar default nos pagamentos de dívidas.

"Apesar da cacofonia e vazamentos erráticos e declarações nos últimos dias do outro lado, eu continuo firmemente otimista de que haverá um acordo até o final do mês", disse Tsipras à Reuters em comunicado.

"Porque eu sei que a Europa aprendeu a passar por seus desacordos, a combinar suas partes e avançar."

Tsipras afirmou estar confiante que a Europa não irá "escolher o caminho da chantagem financeira antiética e brutal", mas em vez disso optar pelo "caminho de reduzir diferenças" e de "estabilidade".

Fora dos mercados de títulos e com a ajuda financeira congelada, a Grécia está perigosamente perto de ficar sem dinheiro e pode ser forçada a escolher entre pagar dívidas em maio ou pagar salários e aposentadorias do setor público.   Continuação...

 
Primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, durante encontro em Moscou, em foto de arquivo.  08/04/2015     REUTERS/Alexander Zemlianichenko/Pool