Petrobras vai priorizar redução de alavancagem em novo plano de negócios

quinta-feira, 23 de abril de 2015 15:08 BRT
 

SÃO PAULO/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A redução do endividamento da Petrobras será prioridade no novo plano de investimento da empresa, a ser divulgado nos próximos 30 dias.

"O grau de alavancagem da companhia é elevado... É desejável e será feito um processo de busca de desalavancagem, com maior eficiência operacional, redução do capex, aumento dos desinvestimentos, priorização em projetos de maior retorno...", afirmou nesta quinta-feira o diretor financeiro da estatal, Ivan Monteiro, em teleconferência para comentar os resultados de 2014.

A Petrobras encerrou dezembro com endividamento bruto de 351 bilhões de reais, alta de 31 por cento sobre o fim de 2013. A relação entre dívida líquida e Ebitda, um indicador de alavancagem da companhia, subiu para 4,77 vezes, ante 3,52 vezes um ano antes.

O alto grau de alavancagem foi um dos temas mais criticados por analistas após a divulgação dos dados, na noite de quarta-feira.

Segundo o Itaú BBA, presumindo preços de diesel e gasolina estáveis até o encerramento de 2016 e um dólar a 3,4 reais, a alavancagem da Petrobras pode atingir 6,1 vezes até o fim do próximo ano.

Monteiro admitiu, ao comentar o prejuízo de 21,6 bilhões de reais do ano passado, após contabilização de perdas de 6,2 bilhões de reais por corrupção e redução de mais de 44 bilhões de reais o valor de seus ativos, que a dívida da estatal está acima das principais companhias de petróleo, mas ressaltou que essas petroleiras não tiveram a "mesma possibilidade de investimento que se vislumbrou para a Petrobras", como os campos do pré-sal.

O executivo não deu mais detalhes durante a teleconferência sobre como será feita a desalavancagem ou outras métricas do plano.

As ações ordinárias da Petrobras ampliavam a alta em quase 6 por cento na tarde desta quinta-feira, depois de terem caído mais de 6 por cento no começo do dia, com investidores digerindo declarações de executivos da estatal sobre o balanço auditado divulgado na noite da véspera.

As ações preferenciais, que chegaram a cair quase 10 por cento mais cedo, anularam perdas, por volta das 14h50.   Continuação...

 
Petrobras no Rio de Janeiro. 2/2/2015 REUTERS/Sergio Moraes