Usiminas chegou a avaliar aumento de preços, mas desistiu com recuo do dólar

quinta-feira, 23 de abril de 2015 13:28 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Usiminas chegou a avaliar um aumento nos preços de aço no primeiro trimestre quando a moeda norte-americana estava no patamar de 3,20 reais, mas o recuo do câmbio fez a empresa desistir da ideia e trabalhar com um cenário de estabilidade de preços para o período de abril a maio.

Em teleconferência com analistas, o diretor comercial da produtora de aços planos, Sérgio Leite, afirmou que a companhia segue vendo sinais de enfraquecimento da economia brasileira no atual trimestre e com isso projeta queda nas vendas no mercado interno no período.

Para tentar compensar esse movimento, a empresa tentará elevar exportações no segundo trimestre ante os três primeiros meses do ano, apesar da expectativa de que estas vendas externas terão margens menores, disse Leite.

Segundo o executivo, a intenção da empresa é dosar vendas nos mercados interno e externo de modo que a Usiminas tenha o mesmo volume de vendas de aço no segundo trimestre em relação aos três primeiros meses do ano.

A companhia teve vendas de 1,256 milhão de toneladas de aço no primeiro trimestre, queda de 12,6 por cento sobre o mesmo período de 2014 e alta ligeira de 1 por cento na comparação com o quarto trimestre do ano passado.

As ações da empresa, no entanto, disparavam mais de 7 por cento às 13h20, com analistas considerando o resultado como acima do esperado diante de forte aumento de vendas no mercado interno, no qual as margens de lucro costumam ser maiores.

Segundo Leite, o nível atual de preços de aço no Brasil está de 5 a 10 por cento mais alto que no exterior, algo que o executivo considera como patamar de "equilíbrio".

"Tivemos o câmbio superior a 3,20 (reais) no primeiro trimestre durante algumas semanas, que nos colocava em posição de provável aumento de preços, mas o recuo do dólar e a queda nos preços internacionais nos coloca mais para estabilidade (de preços) para o segundo trimestre", disse o Leite a analistas.

A Usiminas, que esperava que o Porto Sudeste iniciasse operações no final do ano passado, agora trabalha com a esperança de que o terminal de exportação de minério de ferro comece a operar entre o final de junho e o início de julho.   Continuação...