Fibria tem Ebitda recorde e prejuízo menor que o esperado no 1º tri

sexta-feira, 24 de abril de 2015 08:39 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - A Fibria, maior produtora de celulose de eucalipto do mundo, teve lucro operacional recorde no primeiro trimestre, impulsionado pelo maior preço do insumo em reais e pelo aumento do volume vendido na comparação com o mesmo período do ano passado, divulgou nesta sexta-feira.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado da Fibria ficou em 1,007 bilhão de reais de janeiro a março, alta de 48 por cento na comparação anual, com margem também recorde, de 50 por cento.

Analistas esperavam, em média, alta de 37 por cento do Ebitda ajustado, a 930,8 milhões de reais, segundo pesquisa da Reuters.

O volume total de vendas subiu 3 por cento ante igual período do ano passado, devido ao resultado melhor das vendas para Europa e Ásia. Ao mesmo tempo, o preço médio da celulose em reais subiu 14 por cento em relação ao quarto trimestre, ajudado pela desvalorização do real ante o dólar.

Na última linha do balanço, a Fibria teve prejuízo líquido de 566 milhões de reais, revertendo resultado positivo de 19 milhões de reais no primeiro trimestre de 2014.

A receita líquida da empresa subiu 22 por cento na base anual, a 1,997 bilhão de reais.

O prejuízo foi inferior à média de estimativas de analistas coletadas pela Reuters, que apontava para resultado negativo de 833 milhões de reais no período.

Segundo a Fibria, excluindo efeitos não recorrentes provenientes de créditos tributários e o impacto dos efeitos da variação cambial na dívida e instrumentos de hedge, a empresa teria lucro líquido de 513 milhões de reais nos três primeiros meses do ano.

O custo caixa de produção ficou em 572 reais a tonelada, 4 por cento superior ao primeiro trimestre de 2014 e 21 por cento maior que o do trimestre imediatamente anterior. O aumento do custo foi resultado das paradas para manutenção, maior custo com madeira, menor resultado com utilidades e efeito do câmbio.   Continuação...