Economista do BC da China diz não haver necessidade de forte estímulo, segundo jornal

segunda-feira, 27 de abril de 2015 09:42 BRT
 

XANGAI (Reuters) - A situação do emprego na China é boa e progresso tem sido feito em ajustes estruturais, portanto não há necessidade de fortes estímulos à economia apesar de pressões, disse nesta segunda-feira o economista-chefe do banco central do país, Ma Jun, segundo o jornal People's Daily.

"As recentes reduções de taxas de juros e de compulsório pelo banco central foram principalmente para evitar o aperto passivo da política monetária e para manter uma política monetária neutra ou estável", disse Ma de acordo com o jornal.

"Mesmo que o crescimento econômico esteja sendo pressionado, a situação presente do emprego é boa, ajustes estruturais tiveram progresso positivo, e não há necessidade de fortes estímulos", disse Ma, segundo o jornal.

A segunda maior economia do mundo cresceu ao ritmo mais lento em seis anos no primeiro trimestre de 2015 e a fraqueza em setores importantes sugeriram que a economia ainda está perdendo ímpeto em abril, aumentando as expectativas de que Pequim vai implementar mais medidas de suporte para evitar uma desaceleração mais forte.

O banco central da China cortou as taxas de compulsório no começo de fevereiro e o fez isso novamente neste mês na maior redução única desde o pior momento da crise financeira global em 2008.

O BC também cortou as taxas de juros duas vezes desde novembro.

Economistas privados veem mais cortes em taxas de juros e de compulsório nos próximos meses em conjunto a outras medidas se as condições continuarem a se deteriorar.

(Por John Ruwitch)

 
Sede do banco central chinês, em Pequim.  24/11/2014 
REUTERS/Kim Kyung-Hoon