Dívida mobiliária federal interna sobe 4,66% em março por emissão recorde de títulos

segunda-feira, 27 de abril de 2015 14:48 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A dívida pública mobiliária federal interna subiu 4,66 por cento em março frente a fevereiro, atingindo 2,316 trilhões de reais, num mês marcado por emissão recorde de títulos públicos federais, informou o Tesouro Nacional nesta segunda-feira.

O Tesouro anunciou ainda que o estoque da dívida pública federal, incluindo também a dívida externa, aumentou 4,79 por cento em março, para 2,441 trilhões de reais.

No mês passado, as emissões de papéis da dívida brasileira somaram 147,151 bilhões de reais, enquanto os resgates de papéis ficaram em 76,960 bilhões de reais, resultando em uma emissão líquida de 70,190 bilhões de reais.

Em março, os títulos prefixados representaram 41,08 por cento do total da dívida, ante 39,71 por cento no mês anterior. A meta do governo para o ano é que fiquem entre 40 e 44 por cento.

O Tesouro informou ainda que os papéis corrigidos pela inflação representaram 34,62 por cento da dívida em março, frente a 35,25 por cento em fevereiro. Para o fim do ano a meta é que fiquem entre 33 e 37 por cento.

Já os títulos corrigidos pela Selic corresponderam a 19,13 por cento do total do passivo ante 20,01 por cento em fevereiro. A meta é que encerrem o ano entre 17 e 22 por cento.

Os dados apresentados pelo Tesouro mostram ainda que a participação de investidores estrangeiros ficou em 20,27 por cento do total da dívida, em 469,6 bilhões de reais.

De acordo com os dados do Tesouro, a dívida mobiliária encerrou o primeiro trimestre de 2015 sem que houvesse emissão destinada a bancos públicos, sendo mantida até o momento a diretriz traçada pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, de cessar a emissão de títulos públicos destinados a financiar políticas com custos subsidiados.

(Reportagem de Luciana Otoni)