April 28, 2015 / 8:24 PM / 2 years ago

Dólar fecha em alta a R$2,9422 após atingir mínima em quase 2 meses

3 Min, DE LEITURA

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta nesta terça-feira, invertendo a queda vista mais cedo, em um movimento de correção após ter alcançado a menor cotação em quase dois meses no intradia.

A moeda norte-americana encerrou a 2,9422 reais na venda, em alta de 0,7 por cento, após operar em queda durante a maior parte do dia. Na mínima da sessão, o dólar rompeu o piso de 2,90 reais e chegou a 2,8808 reais, menor cotação intradia desde 2 de março.

Segundo dados da BM&FBovespa, o giro financeiro ficou em torno de 1,5 bilhão de dólares.

"Aqui, o movimento (de queda do dólar) foi muito rápido e quando caiu abaixo de 2,90 reais chamou compras", disse economista da Tendências Consultoria, Silvio Campos Neto.

A moeda norte-americana vinha sendo negociada acima dos 3 reais desde o início de março e voltou a fechar abaixo desse patamar em 23 de abril, onde se mantém desde então.

No exterior, o dólar mantinha a tendência de baixa, caindo cerca de 0,6 por cento em relação a uma cesta de moedas, com investidores à espera da reunião de dois dias do Federal Reserve, que começa nesta terça-feira, e dos dados do primeiro trimestre do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos, na quarta-feira.

Com os dados recentes mais fracos da economia norte-americana, aumentaram as apostas de que o Fed vai adiar o início do processo de elevação da taxa de juros.

Do lado interno, o mercado aguarda a reunião de dois dias do Comitê de Política Monetária (Copom), que termina na quarta-feira e trará a definição da taxa básica de juros.

A expectativa, segundo pesquisa Reuters, é que a Selic seja elevada em 0,50 ponto percentual, a 13,25 por cento ao ano.

As altas taxas de juros no Brasil, aliadas à expectativa de demora no início da elevação dos juros nos EUA, atraem a entrada de investimento estrangeiro, o que também ajuda na queda do dólar.

"A questão agora é até quando vai o atual ciclo de aperto monetário (no Brasil), que também traz uma enxurrada de dólar pelo atrativo da taxa de juros", disse o operador de câmbio de uma corretora de São Paulo, que falou sob condição de anonimato.

Com a recente desvalorização da moeda norte-americana e a proximidade do fim do mês, o mercado aguarda a divulgação do Banco Central sobre a continuidade do programa de rolagem dos contratos de swap cambial.

O BC não renovou o programa de oferta diária de swaps cambiais que venceu no dia 31 de março, mas se comprometeu a renovar integralmente os contratos que venceriam a partir de 1º de maio.

"Mas com o dólar no patamar que está, o BC pode começar a diminuir o percentual da rolagem", disse o gerente de câmbio da Correparti, João Paulo De Gracia Correa.

Nesta manhã, o BC brasileiro vendeu a oferta integral de até 10,6 mil swaps para rolagem dos contratos que vencem em 4 de maio, equivalentes a 10,115 bilhões de dólares. Até o momento, a autoridade monetária já rolou cerca de 92 por cento do lote total.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below