Dólar sobe 1,9% e volta a R$3, mas ainda recua em abril

quinta-feira, 30 de abril de 2015 17:24 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou com a maior alta ante o real em mais de um mês nesta quinta-feira, e voltou acima de 3 reais, pressionado por números fortes sobre a economia dos Estados Unidos e renovadas preocupações com os empecilhos ao ajuste fiscal no Brasil.

O dólar subiu 1,88 por cento, a 3,0131 reais na venda, maior alta diária desde 25 de março, quando subiu 2,43 por cento. Na máxima da sessão, a divisa atingiu 3,0213 reais.

Em abril, a moeda norte-americana acumulou queda de 5,57 por cento, interrompendo sete meses consecutivos de elevação.

Segundo dados da BM&F, o giro financeiro desta sessão ficou em torno de 1 bilhão de dólares.

Segundo analistas, contudo, a moeda norte-americana não deve voltar tão cedo às máximas em mais de uma década, renovadas nos últimos meses. Isso porque os elevados juros domésticos devem sustentar o fluxo de capitais para o Brasil.

"Acredito que o dólar volte a subir com força na segunda metade do ano, quando ficar mais claro que o Fed está se preparando para subir juros. Até lá, a Selic a 13 por cento deve amortecer a pressão por aqui", disse o gerente de câmbio da corretora Treviso, Reginaldo Galhardo.

As principais moedas emergentes também perderam terreno nesta sessão contra a divisa dos EUA após uma série de dados positivos sobre a maior economia do mundo, incluindo uma queda dos pedidos de auxílio-desemprego ao menor nível desde 2000.

Investidores têm buscado pistas sobre quando o Federal Reserve pretende começar a elevar os juros norte-americanos. Na sessão passada, o crescimento econômico fraco dos EUA no primeiro trimestre alimentou expectativas de que isso pode demorar mais que o esperado para acontecer, mas os indicadores econômicos desta sessão sugeriram que o mau desempenho pode não ter se estendido ao longo do ano.   Continuação...