Unidade de Saúde da Siemens é investigada por agência chinesa por suborno

domingo, 3 de maio de 2015 11:17 BRT
 

XANGAI (Reuters) - Uma agência reguladora chinesa investigou a Siemens AG no ano passado sobre se a unidade de saúde do grupo alemão e seus agentes teriam subornado hospitais para que eles comprassem caros produtos descartáveis utilizados em alguns equipamentos médicos, disseram três pessoas com conhecimento da investigação à Reuters.

A investigação, que não havia sido divulgada anteriormente, segue uma onda ampla de sondagens sobre a indústria farmacêutica na China.

No ano passado a GlaxoSmithKline PIc foi multada em cerca de 500 milhões de dólares por ter subornado autoridades para impulsionar suas vendas de medicações.

A agência chinesa de Administração da Indústria e do Comércio (SAIC) acusou a Siemens e seus agentes de terem violado a lei de competições ao doar equipamentos médicos em troca de acordos de exclusividade para a compra de reagentes químicos necessários para a operação das máquinas da Siemens, informaram as fontes. 

A Reuters não conseguiu determinar se a Siemens havia negado as acusações ou se alguma ação havia sido tomada contra a companhia ou os negociadores.

Um porta-voz da Siemens na Alemanha disse que "não estava ciente" da investigação e se negou a comentar questões específicas sobre a investigação. A SAIC se negou a comentar o assunto. 

Advogados chineses disseram que não é incomum que agências reguladoras conduzam investigações a portas fechadas para então negociar acordos.

A investigação da Siemens, que envolve cerca de mil hospitais, pode significar mais inspeções a outros fabricantes de equipamentos médicos, disse uma das fontes.

Ela acontece em meio a um movimento do governo de Pequim para que os hospitais utilizem mais equipamentos fabricados na China, reduzindo a dependência do país em importações, que representam três quartos de um mercado de cerca de 34 bilhões de dólares. 

(Por Adam Jourdan e Engen Tham)