Petrobras reduz refino de petróleo com menor demanda por derivados e paradas programadas

segunda-feira, 4 de maio de 2015 18:10 BRT
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Uma redução no consumo de derivados de petróleo no Brasil e paradas programadas para manutenção levaram a Petrobras a reduzir o processamento da commodity em suas refinarias nos quatro primeiros meses do ano em relação ao mesmo período do ano passado, informou a petroleira à Reuters.

A Petrobras não informou especificamente qual combustível está sendo menos consumido no país, mas dados dos distribuidores apontam uma queda no consumo de gasolina no primeiro trimestre, com o etanol hidratado mais competitivo após um aumento de preços do combustível fóssil no Brasil no final do ano passado.

A redução do uso da capacidade instalada de refinarias acontece ao mesmo tempo em que os derivados de petróleo estão sendo comercializados no exterior a valores mais baixos que no mercado interno, pela queda do petróleo, favorecendo importações de gasolina e diesel pelo Brasil.

A Petrobras não respondeu se está reduzindo o processamento de petróleo por estar encontrando condições mais favoráveis para a importação de combustíveis.

Afirmou apenas que "o nível de processamento das nossas refinarias é definido mensalmente buscando o melhor resultado para a empresa, mantendo o compromisso de atender o mercado brasileiro de combustíveis".

A Petrobras não informou quais as manutenções realizadas em refinarias em março e abril, mas destacou, por meio de sua assessoria de imprensa, que todas as paradas para manutenção em refinarias já tinham sido concluídas.

No primeiro bimestre, paradas para manutenção foram apontadas pela Petrobras como fator para a queda no refino. Naquela oportunidade, a estatal não citou uma menor demanda no país.

Para abril, a Petrobras antecipou à Reuters que o volume de petróleo processado será similar ao de março, quando houve uma queda de 8,2 por cento em relação ao mesmo mês do ano passado, para 1,96 milhão de barris por dia, segundo dados do regulador (ANP).   Continuação...

 
Logo da Petrobras em São Paulo. 23/4/2015  REUTERS/Paulo Whitaker