Petrobras pede na Justiça ressarcimento de R$1,3 bi de empreiteiras da Lava Jato

sexta-feira, 8 de maio de 2015 20:26 BRT
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras vai entrar como coautora do Ministério Público Federal nas ações de improbidade administrativa contra empreiteiras e executivos envolvidos na operação Lava Jato, pedindo ressarcimento de quase 1,3 bilhão de reais, informou a petroleira estatal nesta sexta-feira, em comunicado ao mercado.

A companhia já protocolou duas ações, uma no dia 30 de abril e outra no dia 8 de maio, referentes a pagamentos indevidos relacionados a contratos das empresas Engevix e Mendes Júnior, pedindo o ressarcimento total de cerca de 452 milhões de reais.

O montante considera reparos por danos materiais e multa, além de pedido de indenização por danos morais, cujos valores serão quantificados no decorrer do processo.

Nas próximas semanas, a Petrobras ingressará, também como coautora, em outras três ações, envolvendo contratos com as empresas Camargo Corrêa, OAS e Galvão Engenharia, totalizando pedido de reembolso de aproximadamente 826 milhões de reais.

"Essas ações se somam a um conjunto de medidas que estão sendo adotadas para garantir o ressarcimento integral dos prejuízos sofridos pela companhia, inclusive aqueles relacionados à sua reputação, e reforçam o compromisso da Companhia em cooperar com as investigações", disse a estatal.

A operação Lava Jato da Polícia Federal e do Ministério Público investiga um esquema bilionário de corrupção envolvendo contratos da Petrobras com as maiores empreiteiras do país, e que teria desviado recursos para partidos políticos, políticos, operadores e ex-executivos da Petrobras.

Procuradas, a Engevix e a Galvão Engenharia informaram que não irão se pronunciar. A Mendes Junior e OAS disseram que não tomaram conhecimento da ação e, portanto, não irão se manifestar.

Já a Camargo Corrêa não respondeu imediatamente o pedido de comentários.   Continuação...

 
23/04/ 2015.  REUTERS/Paulo Whitaker