Petrobras incluirá em plano de negócio refinarias que geraram perdas, diz fonte

domingo, 10 de maio de 2015 12:17 BRT
 

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A conclusão de problemáticas refinarias em Pernambuco e Rio de Janeiro estará prevista no Plano de Negócios 2015-2019 da Petrobras a ser divulgado até junho, mas ainda há incertezas sobre quando e como serão efetivados os investimentos para o encerramento das obras nas unidades envolvidas no escândalo de corrupção, de acordo com uma fonte próxima à companhia.

A finalização da Refinaria do Nordeste (Rnest), também conhecida como Abreu e Lima, e do Comperj dependerá do fôlego da estatal para aportes e da disponibilidade de empreiteiras, uma vez que as maiores estão proibidas de fechar novos contratos com a petroleira em razão dos desvios apontados pela Polícia Federal.

Eventuais investidores interessados em ter uma fatia minoritária nos ativos de refino --ainda que a política de preços de combustíveis no Brasil seja pouco estimulante para um sócio privado-- também poderiam ajudar na conclusão dos projetos, disse a fonte, que está envolvida na elaboração do plano.

"As duas (refinarias) estão no plano, e o timing depende de algumas variáveis", afirmou a fonte, na condição de anonimato, sem dar detalhes sobre investimentos projetados para 2015-2019.

Procurada, a Petrobras não comentou imediatamente o assunto.

No balanço do ano passado, a companhia anunciou redução de mais de 44 bilhões de reais no valor de seus ativos, com a Rnest e o Comperj respondendo por cerca de 70 por cento dessa desvalorização, e a empresa citando diversos problemas, como falha no planejamento dos projetos. A estatal ainda contabilizou perdas de 6,2 bilhões de reais por corrupção em 2014.

Apesar dos atrasos e dos bilhões já gastos na Rnest e no Comperj, os projetos estarão no plano de negócios porque, com eles, a Petrobras ficará muito próxima de ter no futuro uma autossuficiência em refino.

A refinaria no Rio de Janeiro está com mais de 80 por cento das obras concluídas e poderá agregar até 200 mil barris de capacidade, disse a fonte. Já o segundo trem de refino da Rnest --o primeiro foi inaugurado em 2014-- também fará parte do plano de negócios, com previsão de agregar 115 mil barris/dia de processamento.   Continuação...