Bendine diz que Petrobras busca devolução integral de valores desviados

segunda-feira, 11 de maio de 2015 17:50 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente-executivo da Petrobras, Aldemir Bendine, afirmou nesta segunda-feira que a petroleira está tomando todas as medidas adequadas e necessárias para assegurar a devolução integral dos prejuízos decorrentes de corrupção na companhia.

A fala de Bendine ocorreu durante evento em Brasília que marcou a devolução de uma pequena parte dos valores desviados. Na ocasião, foi feita a entrega simbólica de 157 milhões de reais para a estatal.

Com o desenrolar das investigações e dos acordos de delação, o Ministério Público Federal disse já ter garantia de que 570 milhões de reais serão devolvidos à Petrobras e à União, por conta de corrupção envolvendo a empresa --o prazo para a devolução desses valores não foi mencionado pelas autoridades no evento.

Segundo o procurador Paulo Galvão, integrante da força-tarefa da Lava Jato, outros 500 milhões de reais estão bloqueados judicialmente e precisam aguardar a conclusão das ações para serem posteriormente repassados à Petrobras e União.

O total contabilizado pela Petrobras em perdas com corrupção supera 6 bilhões de reais, segundo informação publicada no balanço de 2014.

"Buscaremos sem descanso a reparação integral", disse Bendine, em discurso.

Na sexta-feira, a estatal informou que vai entrar como coautora do Ministério Público Federal nas ações de improbidade administrativa contra empreiteiras e executivos envolvidos nos casos de corrupção apurados pela operação Lava Jato, pedindo ressarcimento de quase 1,3 bilhão de reais.

Outras ações do gênero serão tomadas, visando o ressarcimento de mais valores, ressaltou Bendine, acrescentando que a cerimônia em Brasília nesta segunda-feira indicou que "a Petrobras está no rumo certo para superar a crise".

O presidente-executivo da Petrobras disse ainda que a Justiça Federal já mostrou entendimento de que a Petrobras foi vítima no processo.   Continuação...

 
Presidente-executivo da Petrobras, Aldemir Bendine, durante devolução de uma pequena parte dos valores desviados da Petrobras, em Brasília, nesta segunda-feira. 11/05/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino