Lucro líquido da Kroton sobe 57% no 1º tri, para R$455,3 mi

terça-feira, 12 de maio de 2015 08:51 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - O lucro líquido ajustado da Kroton Educacional subiu 56,9 por cento no primeiro trimestre, com o controle mais rígido de custos e despesas compensando as mudanças no Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), informou a companhia nesta terça-feira.

A Kroton teve lucro líquido ajustado de 455,3 milhões de reais entre janeiro e março, frente a 290,2 milhões de reais no mesmo período do ano passado.

Excluindo os ajustes de custos e despesas não recorrentes e de amortização do intangível, o lucro foi de 371,7 milhões de reais, avanço de 35,3 por cento ano contra ano. A previsão de analistas consultados pela Reuters era de lucro líquido de 388,5 milhões de reais.

O Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado somou 551,6 milhões de reais, crescimento de 66,3 por cento ano contra ano.

Segundo a empresa, o desempenho do período foi fruto de maior eficiência operacional e controle rígido de custos e despesas.

"Em relação a custos e despesas, o desafio foi fazer ajustes sem comprometer a qualidade de ensino e os projetos de crescimento", disse a empresa. "A revisão de custos teve como foco o aumento de eficiência no processo de abertura de turmas (classes) novas. Em relação às despesas, as prioridades do ajuste foram as estruturas corporativas e administrativas nas unidades", completou.

A receita líquida atingiu 1,29 bilhão de reais, crescimento de 91,1 por cento na comparação anual devido à incorporação dos números da empresa adquirida Anhanguera, mas também devido ao crescimento orgânico do ensino superior, disse a Kroton.

"O cenário enfrentado ao longo do primeiro trimestre de 2015 foi bastante desafiador, com mudanças nas regras do programa Fies, com destaque para a limitação de vagas a novos alunos", disse a Kroton em seu relatório de resultados.

"Definimos na Kroton duas grandes prioridades: mitigar os impactos em receita decorrente da restrição de crédito público e reestruturar a companhia, ajustando custos e despesas para garantir os resultados e margens previstos antes da restrição de crédito", declarou.   Continuação...