Estoques de soja dos EUA subirão com maior competição do Brasil e Argentina, diz USDA

terça-feira, 12 de maio de 2015 17:07 BRT
 

Por Mark Weinraub

WASHINGTON (Reuters) - Os estoques finais de soja dos Estados Unidos devem aumentar em 43 por cento no ano comercial 2015/16, apesar de uma queda na produção, já que a commodity norte-americana enfrenta uma competição cada vez maior no mercado de exportações, especialmente do produto do Brasil e da Argentina, afirmou o governo dos EUA nesta terça-feira.

Em sua primeira estimativa sobre a situação dos estoques para o ano comercial 2015/16, o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês) projetou um estoque final de soja norte-americana em 500 milhões de bushels --ante 350 milhões de bushels da safra 2014/15.

A cifra superou as expectativas dos analistas, que eram de um estoque final de 443 milhões de bushels para a safra 2015/16.

"Quinhentos milhões de bushels choca um pouco", opinou Karl Setzer, analista da MaxYield Cooperative. “Fazia anos que não víamos um número desses. Não estou muito empolgado com a soja no momento, não vejo muita esperança para ela".

O mercado futuro da soja na bolsa de Chicago, que chegou a operar em alta durante a manhã desta terça-feira, foi impactado depois da publicação do relatório. O contrato julho perdeu cerca de 10 centavos de dólar quando a informação chegou ao pregão, atingindo uma mínima de quase um mês. O vencimento terminou em baixa de 1,8 por cento, a 9,555 dólares por bushel.

A previsão de produção norte-americana de soja do USDA para 2015/16 é de 3,850 bilhões de bushels, ligeira queda em comparação ao 3,969 bilhões do período 2014/15, resultante da queda na produtividade esperada.

BRASIL, ARGENTINA   Continuação...