CORREÇÃO-Dólar sobe a R$3,0412 após dado forte sobre economia dos EUA

terça-feira, 19 de maio de 2015 19:16 BRT
 

(Corrige no segundo parágrafo alta do dólar para 0,76%, não 0,78% como tinha sido informado anteriormente)

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em alta ante o real nesta terça-feira, acompanhando outros mercados de câmbio, após a divulgação de dado mais forte sobre a economia dos Estados Unidos, que trouxe esperanças de recuperação da maior economia do mundo após um fraco primeiro trimestre.

A moeda norte-americana subiu 0,76 por cento, a 3,0412 reais na venda, após variar entre a máxima de 3,0433 reais e a mínima de 3,0031 reais na sessão. Segundo dados da BM&FBovespa, o giro financeiro ficou em torno de 977 milhões de dólares.

O início de novas construções de moradias nos EUA saltou em abril à máxima em quase sete anos e meio, de acordo com dados divulgados nesta manhã, contribuindo para a elevação dos rendimentos dos títulos do Tesouro norte-americano <0#USBMK=>. [nL1N0YA0LH]

A recuperação da economia norte-americana pode levar o Federal Reserve a iniciar o processo de elevação das taxas de juros. Investidores buscarão mais pistas sobre o futuro da política monetária norte-americana na ata da última reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês), que será divulgada na quarta-feira.

"Se tivéssemos de escolher, acenaríamos levemente na direção da tese de que a ata será mais 'hawkish' do que o mercado atualmente precifica, mas não temos convicção suficiente para nos posicionarmos com base nessa avaliação", escreveram analistas do Citi em nota a clientes.

No início da tarde, no entanto, a divisa chegou a anular o avanço ante o real. O movimento foi explicado por dois operadores de bancos internacionais como resultado de fluxos de entrada de dólares no país.

No cenário doméstico, investidores ainda monitoram o noticiário fiscal, após o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmar que o contigenciamento do Orçamento deve ficar entre 70 bilhões e 80 bilhões de reais e que o governo não descarta elevar impostos para cumprir a meta de superávit primário deste ano.[nL1N0Y925O]   Continuação...