Dilma sai em defesa de Levy e diz que contingenciamento não vai parar o governo

quinta-feira, 21 de maio de 2015 17:51 BRT
 

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff saiu em defesa do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, alvo de críticas por conta do ajuste fiscal, e disse que o contingenciamento orçamentário a ser anunciado na sexta-feira não vai paralisar o governo.

Dilma defendeu as medidas de ajuste fiscal enviadas pelo governo ao Congresso, disse que o Executivo trabalha para aprová-las no Legislativo e garantiu que Levy tem sua confiança.

“O Joaquim Levy é da minha confiança, fica no governo”, disse a jornalistas nesta quinta-feira, ao chegar no Palácio do Itamaraty para almoço com o presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez.

Referindo-se a críticas do senador petista Lindbergh Farias (RJ) ao ministro da Fazenda, a presidente declarou: “As pessoas podem pensar diferente, dentro de todos os partidos, eu não tenho a mesma posição em relação ao Joaquim Levy do senador.”

Ao reiterar a defesa do ajuste, Dilma acrescentou que o contingenciamento orçamentário, que será anunciado na sexta-feira, será "adequado" e não causará a paralisia do governo.

Sem dar números, a presidente disse que o volume a ser contingenciado não será "tão grande, que não seja necessário, nem tão pequeno que não seja efetivo".

"Nenhum contingenciamento paralisa o governo. O governo gasta menos em algumas coisas, e é isso que acontece", disse a presidente.

"Nós vamos fazer uma boa economia para que o país possa crescer e possa ter sustentabilidade no crescimento", acrescentou.

  Continuação...

 
Presidente Dilma Rousseff e presidente do Uruguai, Tabaré Vázquez, no Palácio do Planalto. 21/05/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino