Retomada dos EUA e câmbio devem elevar exportações do Brasil no 2o semestre, diz secretário

sexta-feira, 22 de maio de 2015 13:40 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A retomada mais robusta dos Estados Unidos prevista para este ano associada à valorização do dólar sobre o real deve ajudar o Brasil na recuperação de suas exportações especialmente no segundo semestre, afirmou o secretário-executivo do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Ivan Ramalho, nesta sexta-feira.

Até a segunda semana de maio, a balança comercial brasileira acumula déficit de 3,4 bilhões de dólares, sendo que as exportações somaram esse ano 66,6 bilhões de dólares e as importações cerca de 70 bilhões de dólares, de acordo com o ministério.

As estimativas da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) apontam até agora para este ano um superávit na balança comercial de 5 bilhões de dólares, uma queda em relação à estimativa anterior da entidade, feita em dezembro e que apontava para 8 bilhões de dólares.

Segundo Ramalho, o setor portuário será beneficiado ainda neste ano pela retomada das exportações "e no momento em que as exportações forem retomadas, aumentará um pouco as importações de produtos utilizados pela indústria", disse ele.

O secretário-executivo aposta ainda que o Plano Nacional de Exportações, que deve ser lançado no mês que vem também poderá alavancar as exportações nacionais. O secretário adiantou que o programa vai focar a realização de acordos comerciais, a diversificação de parceiros e melhorar o financiamento do comércio exterior.

"Precisamos diversificar; na América do Sul dependemos muito da Argentina e da Venezuela que passam por dificuldades econômicas", disse ele. "O plano contempla a redução e facilitação de barreiras com outros países como Bolívia, Peru e Colômbia", finalizou.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

 
Contêineres em um terminal do porto de Santos. 06/04/2015 REUTERS/Paulo Whitaker