Governo corta R$69,9 bi do Orçamento, mas pode adotar mais medidas para cumprir meta fiscal

sexta-feira, 22 de maio de 2015 20:12 BRT
 

Por Luciana Otoni

BRASÍLIA (Reuters) - O governo federal anunciou corte de despesas no Orçamento de 2015 de 69,9 bilhões de reais, reduzindo expressivamente verbas destinadas ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), Educação e Saúde, mas em um nível de restrição que pode não garantir o cumprimento da meta de superávit primário do ano devido à fraca arrecadação.

"É um esforço fiscal considerável. É o maior contingenciamento feito no Brasil nos últimos anos, mas programas prioritários foram preservados", disse o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, nesta sexta-feira em entrevista coletiva para comentar o contingenciamento.

Questionado sobre se o esforço será suficiente para garantir o cumprimento da meta de superávit primário de 66,3 bilhões de reais, equivalente a 1,1 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, o titular do Planejamento deixou a porta aberta para mais aperto fiscal.

"Adotamos as medidas necessárias para o cumprimento (da meta). Se houver frustração de receita, haverá estudo de novas medidas", disse.

A Reuters antecipou mais cedo nesta sexta-feira o valor total dos cortes, parte do esforço da equipe econômica do governo Dilma Rousseff para melhorar as contas públicas.

Um dos mentores do corte recorde de gasto e defensor da austeridade fiscal, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não compareceu à entrevista de explicação do contingenciamento recorde por estar resfriado, segundo Barbosa.

O montante anunciado ficou em linha com a mediana das estimativas de economistas consultados pela Reuters, mas eles avaliam que a redução das despesas será insuficiente para que o governo atinja a meta de superávit primário.

A dotação orçamentária do PAC saiu de 64,9 bilhões para cerca de 39,3 bilhões de reais. O programa habitacional Minha Casa, Minha Vida (MCMV), que faz parte do PAC, teve os recursos neste ano diminuídos para cerca de 13 bilhões de reais, ante 18,6 bilhões reais, segundo Barbosa.   Continuação...

 
Ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, durante entrevista coletiva para detalhar os cortes no orçamento, em Brasília, nesta sexta-feira. 22/05/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino