Dólar reduz ímpeto e termina sessão em leve alta sobre real

segunda-feira, 25 de maio de 2015 17:42 BRT
 

Por Bruno Federowski

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar fechou em ligeira alta nesta segunda-feira, com a defesa do ajuste fiscal pelos ministros da Fazenda e da Casa Civil afastando a divisa das máximas da sessão.

A moeda norte-americana teve variação positiva de 0,09 por cento, a 3,0979 reais na venda, em um dia marcado por baixo volume, com importantes praças financeiras globais fechadas por feriado.

Na máxima do dia, o dólar foi negociado a 3,1341 reais. Segundo dados da BM&F, o giro financeiro no mercado à vista ficou em torno de 703 milhões de dólares.

Na sexta-feira, o ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, anunciou corte de 69,9 bilhões de reais nos gastos do governo em 2015. Um dos mentores da disciplina fiscal no Brasil, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, não compareceu à entrevista, alimentando especulações sobre possíveis discordâncias dentro do governo.

"O mercado não trabalha com a hipótese de o Levy sair do governo, mas há indícios de que houve uma briga interna", afirmou o superintendente de câmbio da corretora Intercam, Jaime Ferreira.

No entanto, entrevista coletiva nesta segunda-feira no fim da manhã de Levy e do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, atenuou os ânimos de investidores. Os dois defenderam o ajuste fiscal e prometeram intensificar os esforços para aprovar as medidas de reequilíbrio das contas públicas no Congresso.

"Toda vez que há alguma dúvida sobre o comprometimento com o ajuste fiscal, o governo faz questão de defender as medidas de ajuste em público. Pelo menos sabemos que ele não desistiu", disse o operador de uma corretora internacional, sob condição de anonimato.

A pressão cambial vista na sessão refletiu também expectativas de que os juros comecem a subir ainda neste ano nos Estados Unidos, o que poderia atrair para a maior economia do mundo recursos atualmente aplicados no Brasil. Na sessão passada, dados mostrando aceleração do núcleo da inflação ao consumidor norte-americano e discurso da chair do Fed, Janet Yellen, reforçaram essas apostas.   Continuação...