Senado conclui votação da primeira medida do ajuste fiscal, que vai à sanção

terça-feira, 26 de maio de 2015 22:50 BRT
 

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O Senado aprovou na noite desta terça-feira a Medida Provisória 665, que altera o acesso a benefícios trabalhistas, como o seguro-desemprego, a primeira de um conjunto de propostas enviadas ao Congresso Nacional pelo governo federal para o ajuste das contas públicas.

A MP, que teve seu texto principal aprovado com 39 votos a favor e 32 contrários, segue para a sanção presidencial e abre o caminho na pauta do Senado para a análise da MP 664, que modifica benefícios previdenciários, como a pensão por morte.

Com uma margem não muito confortável para o governo, os senadores aprovaram o texto principal da medida depois de rejeitarem as emendas que poderiam alterar a MP.

Mesmo senadores de partidos que integram a base do governo e detêm ministérios posicionaram-se contra a proposta.

Os petistas Lindbergh Farias (RJ) e Paulo Paim (RS), além de Cristóvam Buarque (PDT-DF), Marcelo Crivella (PRB-RJ), Roberto Requião (PMDB-PR) e Hélio José (PSD-DF), todos de partidos da base, chegaram a assinar um manifesto contra o ajuste.

O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e os integrantes do PSB Antonio Carlos Valadares (SE), Lídice da Mata (BA), João Capiberibe (AP) e Roberto Rocha (MA) também assinam o documento divulgado na semana passada.

A medida foi alvo de duras críticas de entidades sindicais, como a Central Única dos Trabalhadores (CUT) e a Força Sindical.

  Continuação...

 
Vista geral do Congresso Nacional no início da noite desta terça-feira, em Brasília. 26/05/2015 REUTERS/Ueslei Marcelino