Grandes mineradoras não devem reduzir produção, diz Goldman

quarta-feira, 27 de maio de 2015 08:33 BRT
 

MANILA (Reuters) - Mineradoras de Brasil e Austrália não devem criar um cartel e concordar em reduzir a produção para levantar os preços, com a expectativa de que o enfraquecimento da demanda intensifique a competição, disse o Goldman Sachs.

"Os esforços para apoiar os preços via cortes voluntários de produção seriam contraproducentes. Na nossa visão, a competição no mercado de minério de ferro só pode se intensificar; esperamos que as disputas irão continuar enquanto os preços declinam gradualmente rumo à nossa previsão de 40 dólares por tonelada em 2017", disse o analista do Goldman Christian Lelong em relatório.

O minério de ferro caiu para a mínima em uma década de 46,70 dólares em abril e opera pouco acima de 60 dólares atualmente, menos da metade do pico do ano passado.

As principais mineradoras do mundo -Vale (VALE5.SA: Cotações) e as australianas Rio Tinto (RIO.AX: Cotações) e BHP Billiton (BHP.AX: Cotações)- subiram a produção mesmo com o enfraquecimento da demanda em consumidores-chave como a China, o que fez os preços caírem, deixando produtores menores em dificuldades.

(Por Manolo Serapio Jr)