Governo estuda venda de ativos de menor porte da Eletrobras, diz secretário

quinta-feira, 28 de maio de 2015 12:38 BRT
 

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O desinvestimento programado pelo governo federal no setor elétrico poderá ser feito através da venda de participação de empresas do grupo Eletrobras em ativos de geração e transmissão não essenciais, afirmou o secretário de planejamento e desenvolvimento energético do Ministério de Minas e Energia, Altino Ventura Filho.

Segundo ele, a participação em ativos que poderá ser vendida já a partir deste ano ainda não está definida e ainda deve passar pelo crivo da presidente Dilma Rousseff.

Ventura disse durante o Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase) que a venda desses ativos será importante para manter o fôlego de investimentos da Eletrobras.

Na véspera, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, afirmou sem citar o nome da Eletrobras que o governo federal estava promovendo ajustes que poderiam implicar na venda de ativos de geração e transmissão de eletricidade.

"Essa é uma política que está sendo desenvolvida para fazer com que a Eletrobras se torne um agente com recursos financeiros para a expansão do sistema", disse Ventura a jornalistas.

"Não vai se vender a Eletrobras; a empresa participa em várias SPEs (sociedades de propósito específico) de forma minoritária em geração e transmissão. Isso é que está em questão", disse Ventura, acrescentando que as vendas dos ativos contribuirão para a Eletrobras ter uma situação financeira que permita a companhia entrar em outros empreendimentos.

Segundo uma fonte próxima à Eletrobras e a par do assunto "os estudos ainda são embrionários, mas entende-se que a venda de ativos menores pode ajudar a empresa a fazer novos investimentos, em um momento em que o rating da Eletrobras foi rebaixado". A fonte se referiu à decisão da semana passada da agência de classificação de risco Moody´s, que tirou o grau de investimento da companhia.

Procurada, a Eletrobras não respondeu sobre o assunto de imediato.

Além da venda de ativos nas áreas de transmissão e geração, o governo federal se prepara para se desfazer de ativos de distribuição. A prioridade do governo é a venda da Celg, que atende o mercado de Goiás.   Continuação...