Vendas de soja do país avançam para 68% da safra 14/15 e a 6% da 15/16, diz AgRural

sexta-feira, 29 de maio de 2015 18:37 BRT
 

SÃO PAULO (Reuters) - As negociações de soja das safras velha (2014/15) e nova (2015/16) do Brasil avançaram no mês de maio favorecidas pelo câmbio, em meio à queda das cotações na bolsa de Chicago, informou nesta sexta-feira a consultoria AgRural.

O mês terminou com 68 por cento da safra 2014/15 comercializada, avanço de sete pontos ante o final de abril e ante 75 por cento na mesma época do ano passado.

Já as vendas da safra 2015/16 estão adiantadas, com produtores aproveitando para fechar os negócios antecipados antes do plantio a partir de setembro, tirando vantagens do câmbio favorável para a formação do preço da commodity.

A comercialização da soja 15/16 teve avanço mensal de dois pontos percentuais, chegando a 6 por cento da produção potencial da safra. Há um ano, 2 por cento da safra 2014/15 estava vendida.

Segundo a AgRural, com as cotações em queda na Bolsa de Chicago e o dólar ameaçando romper o suporte de 3 reais, o começo de maio foi parado para o mercado brasileiro da soja. "Mas o avanço da moeda americana frente ao real na segunda quinzena deu ânimo às vendas", destacou.

Após os preços para 2016 registrarem mínimas no mercado interno, segundo a consultoria, os negócios com a safra nova também evoluíram na última semana do mês, favorecidos pelo câmbio.

Para 2015/16, Goiás continua na frente nas negociações, com 12 por cento da safra potencial comercializada, seguido de Paraná, São Paulo e Piauí, com 10 por cento cada, Mato Grosso do Sul, com 9 por cento, Mato Grosso, com 6 por cento, e Rio Grande do Sul, com 2 por cento.

Nas vendas da safra 2014/15, o Centro-Oeste segue na frente, com 76 por cento. Em Mato Grosso, a última semana foi de bons negócios em várias praças. Em Sapezal, a saca que chegou a valer 55 reais no começo de abril foi negociada por 52 reais. Em Nova Mutum, lotes saíram por 53,50 reais. Para fevereiro de 2016, o grão rodou a 58,00 reais em Campo Verde, disse a AgRural.

  Continuação...