Grã-Bretanha planeja vender ações do Lloyds

segunda-feira, 1 de junho de 2015 10:39 BRT
 

LONDRES (Reuters) - A Grã-Bretanha venderá ações do Lloyds para investidores privados de varejo nos próximos 12 meses, no que deve ser a maior privatização desde a venda de ativos do governo de Margaret Thatcher nos anos 1980.

Também foi ampliada uma ferramenta que permite a venda de mais ações no banco para instituições financeiras conforme a Grã-Bretanha se desfaz de sua fatia remanescente de menos de 19 por cento no banco resgatado, avaliada em cerca de 12 bilhões de libras.

Além de levantar dinheiro para o Estado, as vendas de ativos dos anos 1980 pretendiam encorajar britânicos comuns a investir em companhias, uma aspiração compartilhada pelo atual governo conservador.

O governo conservador de Thatcher vendeu 3,9 bilhões de libras em ações na British Telecom e 5,6 bilhões de libras em ações da British Gas em acordos que deram a muitos britânicos sua primeira experiência no mercado de ações.

O Lloyds foi resgatado ao custo de 20 bilhões de libras aos contribuintes durante a crise financeira de 2007-2009, deixando o governo inicialmente com uma participação de 41 por cento no banco.

(Por Matt Scuffham)