June 3, 2015 / 1:23 PM / 2 years ago

Corpbanca e Itaú Unibanco modificam proposta e fusão é adiada para 2016

3 Min, DE LEITURA

Filial do Itaú Unibanco no centro do Rio de Janeiro. 29/01/2015Sergio Moraes

SANTIAGO (Reuters) - O Itaú Unibanco e o chileno Corpbanca fecharam acordo para uma série de modificações a uma proposta anterior para unir suas operações no Chile e na Colômbia, o que adiará sua já demorada negociação de fusão até o ano que vem.

Em uma carta ao regulador chileno, foi informado que o Corpbanca poderá distribuir dividendos de aproximadamente 400 milhões de dólares, com o objetivo de conseguir a aprovação da fusão em uma reunião de acionistas marcada para 26 de junho.

Por sua vez, o Itaú Unibanco pagará um dividendo em sua filial chilena de cerca de 43 milhões de dólares.

As partes concordaram também que 50 por cento dos lucros deste ano de Corpbanca e Banco Itaú Chile serão divididos a cada uma das instituições separadamente.

"Como consequência, a fusão, caso aprovada, terá efeito não antes de 1º de janeiro de 2016", disse o Corpbanca, fixando a data máxima para a materialização da fusão em 2 de maio de 2016.

Paralelamente, o fechamento da venda de 12,36 por cento do Banco Corpbanca Colômbia em poder do CorpGroup ao futuro banco fruto da fusão será prorrogado da data originalmente acertada de 4 de agosto de 2015 até um prazo que não exceda 29 de janeiro de 2017.

Os controladores do CorpBanca e do Itaú Unibanco fecharam há quase um ano e meio a fusão de suas unidades no Chile e na Colômbia, no que seria a nona maior fusão da história da América Latina.

O acordo implica troca de ações e aumentos de capital para permitir ao Itaú controlar a nova instituição, que terá um valor de mercado estimado de mais de 8 bilhões de dólares.

No entanto, as negociações se alongaram desde o anúncio da operação devido a divergências nas avaliações dos ativos dos dois bancos e à espera da aprovação de órgãos reguladores.

Em meados deste mês, o Corpbanca considerou insuficiente a oferta do Itaú Unibanco para tomar o controle da instituição e pediu uma nova avaliação, o que foi rejeitado pelo banco brasileiro.

A diretoria do banco chileno disse que a modificação da proposta, "apesar de não deixar os acionistas do Corpbanca na mesma situação levada em consideração quando se aprovou o acordo em janeiro de 2014, constitui um avanço significativo que tende a restabelecer o equilíbrio econômico".

Por Antonio De la Jara

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below