Postura da UE e do FMI pode forçar a Grécia a eleições antecipadas, diz vice-ministro

sexta-feira, 5 de junho de 2015 10:00 BRT
 

ATENAS (Reuters) - O governo esquerdista da Grécia pode recorrer a eleições antecipadas se seus credores internacionais não aliviarem os termos de um acordo de dinheiro em troca de reformas, afirmou nesta sexta-feira o vice-ministro de Segurança Social, Dimitris Stratoulis, um linha-dura no governo.

Stratoulis é próximo da facção de extrema esquerda do partido governista Syriza, e não estava claro se sua declaração representa uma visão mais ampla dentro do movimento. Mas ele destaca a profunda irritação com as propostas dos credores e um crescente senso de que o partido irá buscar alternativas para evitar aceitar o plano.

"Os credores querem impor medidas duras. Se eles não desistirem desse pacote de chantagem, o governo... terá que buscar soluções alternativas, eleições", disse ele ao Antenna TV.

A Grécia adiou o pagamento de uma dívida de 300 milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional que venceria nesta sexta-feira uma vez que o primeiro-ministro, Alexis Tsipras, exigiu mudanças nos duros termos dos credores da UE e do FMI para conseguir ajuda e evitar o default.

É a primeira vez em cinco anos que a Grécia adia o pagamento de uma parcela de seu pacote de ajuda de 240 bilhões de euros.

(Reportagem de George Georgiopoulos)

 
Primeiro-ministro da  Grécia, Alexis Tsipras,  durante evento em Atenas.  23/05/2015   REUTERS/Kostas Tsironis