Autoridade concorrencial portuguesa acusa 15 bancos de cartel

sexta-feira, 5 de junho de 2015 08:53 BRT
 

LISBOA (Reuters) - A Autoridade da Concorrência portuguesa (AdC) acusou 15 bancos de terem formado um cartel, dadas as suspeitas de uma contínua prática anticoncorrencial orquestrada de troca de informações sensíveis sobre crédito a clientes de varejo, que em alguns casos durou 11 anos.

A AdC acrescentou que a "nota de ilicitude", datada de 29 de maio, é baseada na "suspeita de prática orquestrada, na forma de troca de informações comerciais sensíveis, no que toca à oferta de produtos de crédito em bancos de varejo, designadamente crédito à habitação, crédito ao consumo e crédito a empresas".

"Esta prática, em alguns casos, teria durado cerca de 11 anos e incidido sobre informações não públicas, designadamente, intenções de alteração de spreads", acrescentou a AdC em comunicado, sem nomear quaisquer bancos.

Em março de 2013, a AdC, em conjunto com juízes e procuradores e auxiliada pela Polícia de Segurança Pública (PSP), fez uma busca em vários bancos, incluindo os maiores como Caixa Geral de Depósitos (CGD), Millennium, BES, do qual surgiu o Novo Banco, BPI, Santander, Banif e Montepio.

A investigação da época teve origem em uma denúncia por parte do britânico Barclays.

Até o momento, não foi possível obter comentários da Associação Portuguesa de Bancos (APB) e dos bancos.

(Por Sérgio Gonçalves)