USDA eleva previsão de safra de trigo dos EUA após chuvas nas Planícies

quarta-feira, 10 de junho de 2015 13:58 BRT
 

Por Mark Weinraub

WASHINGTON (Reuters) - Chuvas fortes no sul e no centro das Planícies dos Estados Unidos em maio impulsionaram a produção de trigo naquela importante área produtora norte-americana, disse nesta quarta-feira o Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).

O governo projetou a safra de trigo de inverno em 1,505 bilhão de bushels, 33 milhões acima da previsão divulgada no mês passado, superando também as expectativas do mercado e derrubando as cotações do cereal na bolsa de Chicago para mínimas da sessão, logo após a divulgação do relatório.

Por outro lado, as tempestades que aliviaram a seca em partes das Planícies também elevaram a pressão de doenças nas lavouras e provavelmente devem causar danos em algumas plantações.

"Os números do trigo são altos, e estamos vendo parte do interesse de compra sair do mercado", disse Jack Scoville, analista da Price Futures Group. "Há algum dano (no trigo dos EUA), mas eles (USDA) não devem ter tido chance de incluir isso no relatório."

O USDA estimou os estoques finais de trigo nos EUA na temporada 2015/16 em 814 milhões de bushels, ante 793 milhões em maio.

Por outro lado, o USDA reduziu sua previsão de oferta de soja para a temporada 2015/16 nos EUA, devido a um maior uso doméstico, além de elevar a estimativa de oferta de milho em função de uma menor produção de etanol, segundo relatório mensal de oferta e demanda.

Os estoques finais de soja em 2015/16 foram reduzidos em 25 milhões de bushels, para 475 milhões.

O governo elevou sua projeção de esmagamento doméstico de soja e de uso de farelo de soja, apesar de um surto de gripe aviária no Meio-Oeste, que levou a uma redução de plantel.

Para o milho, o USDA elevou a estimativa final de estoques 15/16 para 1,771 bilhão de bushels, ante 1,746 bilhão bushels anteriormente. O USDA citou uma redução de 25 milhões de bushels na estimativa de uso de milho para produção de etanol como a razão para o aumento na oferta do cereal.

(Reportagem adicional de Michael Hirtzer, em Chicago)