Governo estipula bônus mínimos de quase R$1 bi para 13a Rodada

sexta-feira, 12 de junho de 2015 17:54 BRT
 

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O valor mínimo dos bônus de assinatura dos 266 blocos exploratórios de óleo e gás que serão ofertados na 13a Rodada de Licitação somam 978,77 milhões de reais, recursos que poderão entrar no caixa do governo se todas das áreas forem arrematadas sem ágio.

O bônus mínimo da rodada para cada área ofertada na licitação, prevista para 7 de outubro, foi publicado em pré-edital nesta sexta-feira.

A soma dos bônus anunciados é mais de 50 por cento superior ao registrado na 11a Rodada, em 2013, de 627,48 milhões de reais, quando os preços do barril do petróleo estavam mais altos. Na ocasião, foram ofertados 289 blocos e a arrecadação no fim do certame somou um total de 2,8 bilhões de reais, um recorde em leilões de concessão no Brasil.

"O motivo foi aumentar a arrecadação e também porque, nas últimas rodadas, o bônus mínimo ficou muito abaixo dos lances", afirmou à Reuters uma fonte da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), responsável pela concorrência.

O governo espera uma disputa razoável na licitação. Na quinta-feira, o ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, projetou arrecadação entre 1,5 bilhão e 2 bilhões de reais com a realização da 13ª rodada.

Com frequência, algumas áreas ofertadas em leilões despertam interesse de mais de uma companhia, elevando o bônus ofertado, enquanto outros blocos ficam sem comprador.

A entrada de recursos adicionais para a União, como os valores levantados via leilão de petróleo, é importante para o governo equilibrar as contas públicas.

Após a realização do leilão, os bônus deverão ser pagos entre 11 e 15 de dezembro.   Continuação...