17 de Junho de 2015 / às 17:28 / em 2 anos

Futuro da Grécia na UE está em dúvida se negociações falharem, alerta banco central

ATENAS (Reuters) - O banco central da Grécia alertou nesta quarta-feira que o país corre o risco de trilhar uma saída dolorosa da zona do euro e até mesmo da União Europeia se Atenas e seus credores não firmarem rapidamente um acordo que libere recursos ao país em troca de reformas econômicas.

Um importante negociador grego disse à Reuters que o governo do primeiro-ministro Alexis Tsipras está pronto para fazer concessões não especificadas mas descartou mais uma vez qualquer corte nas aposentadorias - um ponto importante nas negociações.

A Alemanha, maior economia da Europa, manteve sua postura de exigir que a Grécia dê passos substanciais para romper o impasse.

Atenas tem até o fim de junho para encontrar uma maneira de sair dessa crise antes de ser obrigada a fazer um pagamento ao Fundo Monetário Internacional (FMI) de 1,6 bilhão de euros, o que potencialmente vai deixá-la à beira de sair da zona do euro.

“Não vai funcionar sem a Grécia agir de forma significativa”, disse o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, em Berlim.

O negociador grego Euclid Tsakalotos confirmou que a Grécia não tem dinheiro para pagar o FMI e disse que o governo só vai aceitar um acordo que seja sustentável e lide com questões relacionadas a dívida, financiamento e investimento. A UE já disse que não quer entrar nessas discussões neste momento.

“Se tivermos isso, então o governo grego vai assinar o acordo”, disse Tsakalotos. “Se não houver esse tipo de acordo, não há porque assinar algo que você sabe que vai falhar.”

A probabilidade de que um acordo possa ser fechado na quinta-feira em uma reunião de ministros das Finanças parece cada vez mais remota.

“As pessoas estão ficando ansiosas dos dois lados. Atenas espera que Bruxelas aja. E Bruxelas espera que Atenas aja. Está travado”, disse um diplomata da UE, que pediu para não ser nomeado. “É muito perigoso, e podemos ter um acidente.”

O banco central grego afirmou que chegar a um acordo é “um imperativo histórico” que o país não pode ignorar.

“Não chegar a um acordo... marcaria o início de uma trajetória dolorosa que levaria inicialmente a um default grego e, no fim, à saída do país da zona do euro e, mais provavelmente, da União Europeia”, disse a instituição em relatório.

Em um sinal de que o Banco Central Europeu ainda está apoiando a Grécia, o BCE elevou o teto de sua linha emergencial de crédito aos bancos do país para 84,1 bilhões de euros, de 83 bilhões. O BCE tem elevado o teto de pouco em pouco e o aumento substancial de mais de 1 bilhão de euros reflete o crescente estresse bancário à medida que clientes sacam seu dinheiro.

O banco central grego disse que a crise levou a saques de cerca de 30 bilhões de euros dos bancos gregos entre outubro e abril. Os saques continuam.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below