Busca da GM por bancos reacende comentários sobre fusão com Fiat Chrysler

quinta-feira, 18 de junho de 2015 11:18 BRT
 

MILÃO (Reuters) - A busca de assessoria de bancos de investimento pela General Motors mostra que a companhia está levando a sério uma tentativa da Fiat Chrysler Automobiles (FCA) de forçar uma fusão com sua rival norte-americana de maior porte, afirmaram analistas e operadores.

A GM rejeitou abertamente uma proposta de fusão da montadora ítalo-americana mais cedo neste ano e sua presidente-executiva, Mary Barra, disse na semana passada que não tem interesse em uma união.

Mas fontes afirmaram à Reuters que a GM pediu assessoria ao Goldman Sachs e ao Morgan Stanley, já que se comenta que o chefe da FCA, Sergio Marchionne, está fazendo lobby junto a investidores da GM em um esforço para arrastar o Conselho da GM para a mesa de negociações. A FCA está sendo assessorada pelo UBS, acrescentaram as fontes.

O Banca Akros disse que as medidas podem demonstrar que a opção de fechar um acordo com a GM "não está completamente morta e que a GM ao menos está contemplando tal opção para pelo menos dar respostas mais convicentes a seus acionistas, possivelmente perguntando por que uma fusão com a FCA não deve trazer os benefícios visualizados pela FCA e negados pela GM".

"Acreditamos que a notícia pode ser positiva, disse o analista Gabriele Gambarova, do Banca Akros.

Kevin Liley, gestor na Old Mutual Asset Management e acionista da FCA disse que gostaria que um acordo ocorresse. "Unir ambos os negócios ajudaria com o investimento que é essencial para fazer negócios no futuro em segurança e controle de emissões", afirmou.

(Por Stephen Jewkes, Agnieszka Flak e Simon Jessop)