Zona do euro marca reunião de emergência sobre Grécia, em meio à fuga de capital

quinta-feira, 18 de junho de 2015 20:06 BRT
 

Por Lefteris Papadimas e Jan Strupczewski

ATENAS/LUXEMBURGO (Reuters) - Os líderes da zona do euro terão uma reunião de cupúla de emergência na segunda-feira para tentar evitar que a Grécia dê calote, após os saques bancários aumentarem e a receita do governo cair, em meio ao impasse entre Atenas e seus credores internacionais sobre um acordo para a dívida grega.

Os ministros de Finanças dos 19 países da união monetária não conseguiram avançar em direção a acordo sobre reformas em troca de dinheiro durante as negociações em Luxemburgo nesta quinta-feira, apenas 12 dias antes de a Grécia ter que fazer um pagamento crucial para o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"Lamentavelmente... foi feito pouco progresso. Não há nenhum acordo em vista", disse o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, em uma coletiva de imprensa. Ministros enviaram um forte sinal de que cabe à Grécia fazer novas propostas, disse ele.

O Banco Central Europeu (BCE) informou na reunião que não está claro se os bancos gregos abririam na segunda-feira, disseram autoridades.

O Conselho do Banco Central Europeu (BCE) fará uma teleconferência especial na sexta-feira, a segunda em três dias, para discutir a ampliação da assistência emergencial de liquidez a bancos gregos, que estão tendo que enfrentar um rápido aumento dos saques, diseram duas fontes familiarizadas com a situação.

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse em um comunicado que havia convocado chefes de Estado da zona do euro para um encontro em Bruxelas na segunda-feira para discutir a Grécia "em nível político mais alto".

A diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, disse que era necessário ter mais diálogo "com adultos na sala".

A Grécia disse que apresentou uma "proposta radical" para monitoramento orçamentário para mostrar sua disposição de chegar a um acordo, segundo o ministro das Finanças, Yanis Varoufakis.   Continuação...

 
Manifestantes concentrados em frente ao parlamento grego seguram bandeira da União Europeia 18/06/ 2015.  REUTERS/Yannis Behrakis