Presidente da Odebrecht é preso em nova fase da Lava Jato

sexta-feira, 19 de junho de 2015 22:00 BRT
 

Por Sérgio Spagnuolo

CURITIBA (Reuters) - A Polícia Federal prendeu nesta sexta-feira o presidente da Odebrecht, o influente empresário Marcelo Odebrecht, acusando executivos do maior grupo de construção e engenharia da América Latina de serem protagonistas no esquema bilionário de corrupção envolvendo a Petrobras.

Em nova fase da operação Lava Jato, 12 pessoas foram detidas em quatro Estados. Entre os presos está também Otávio Marques Azevedo, presidente da Andrade Gutierrez [AGIS.UL], segunda maior construtora do Brasil.

O principal foco da investigação desta vez foram contas no exterior para o pagamento de propina. O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima disse que o Ministério Público Federal (MPF) não tem dúvidas de que a Odebrecht e a Andrade Gutierrez capitaneavam o esquema de corrupção.

O delegado da PF Igor Romário de Paula afirmou que "há indícios bem concretos de que os presidentes (das duas companhias)... tinham o domínio de tudo que acontecia".

Segundo o delegado, os líderes das duas construtoras em algum momento "tiveram contato ou participaram de negociações que resultaram em atos que levaram à formação de cartel, direcionamentos de licitações e mesmo à destinação de recursos para pagamento de corrupção". Além de depoimentos, Romário de Paula disse que há documentos comprovando isso.

A prisão de Marcelo Odebrecht, 46, empresário próximo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pode colocar o escândalo de corrupção mais próximo do coração do PT, já enfraquecido justamente pela Lava Jato.

"Há uma grande conexão entre Lula e Marcelo Odebrecht e nós vemos o possível indiciamento (do presidente da Odebrecht) como um grande risco", disse o analista Cameron Combs, do Eurasia Group.

A presidente Dilma Rousseff, que era presidente do Conselho de Administração da Petrobras durante o governo Lula, tem negado conhecimento da corrupção na estatal e apoiado a investigação. Nem Dilma nem Lula tiveram seus nomes relacionados ao caso.   Continuação...

 
Agentes da Polícia Federal observam jornalistas no lado de fora da sede da Odebrecht, em São Paulo. 19/06/2015. REUTERS/Rodrigo Paiva