ENTREVISTA-Desenvix foca soluções após perdas com turbina eólica e financiamento da China

terça-feira, 23 de junho de 2015 14:58 BRT
 

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - Após acumular perdas milionárias em um parque eólico em Sergipe que utilizou turbinas e financiamento da China, a elétrica Desenvix DVIX3.SA, controlada pela norueguesa Statkraft, disse ter aprendido algumas lições e está buscando alternativas para reduzir prejuízos e minimizar riscos para futuros investimentos no país.

"O projeto tem nos servido de aprendizado. Como temos um contrato de longo prazo, o importante é ter o parque operando bem e aprender as lições para não ter novos problemas no futuro", disse à Reuters o presidente da Desenvix, João Robert Coas.

A afirmação do executivo ocorre em um momento em que investidores buscam novas formas de financiamento para participar de leilões de energia promovidos pelo governo. Muitos têm olhado para a China como forma de obter recursos e equipamentos, o que, ao menos na experiência da Desenvix, levou a resultados aquém do esperado.

Ele contou que o projeto eólico em Sergipe tem performado cerca de 22 por cento abaixo do estimado. Além disso, a usina de Barra dos Coqueiros, com turbinas da chinesa Sinovel, recebeu aproximadamente 4 milhões de reais em penalidades por entrega de energia abaixo do contrato.

Diante disso, a Desenvix já iniciou um investimento de 2,8 milhões de reais em um "plano de remediação" do empreendimento, que iniciou operação em 2012.

A empresa também tem buscado alternativa para outro fator que prejudica o negócio, a variação cambial.

O financiamento da usina, de cerca de 50 milhões de dólares, foi obtido junto ao Banco de Desenvolvimento da China em 28 de dezembro de 2012, com o dólar a 2,04 reais, contra 3,10 reais na cotação atual.

No balanço do primeiro trimestre, a Desenvix contabilizou uma variação cambial negativa de 24 milhões de reais com a operação, embora tenha notado que esta "não tem afetado significativamente o caixa" por ser um empréstimo de longo prazo, com vencimento no final de 2027.   Continuação...