June 23, 2015 / 8:34 PM / 2 years ago

Levy diz ser "precipitado" falar em mudança na meta de superávit primário

3 Min, DE LEITURA

Ministro da Fazenda, Joaquim Levy, durante evento em Brasília, em maio. 05/05/2015Ueslei Marcelino

BRASÍLIA (Reuters) - É "precipitado" falar em mudança da meta de superávit primário deste ano, disse nesta terça-feira o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, afirmando que o governo tem tomado medidas em relação aos desafios fiscais imediatos, e também para 2016 e os anos à frente.

"Não conversei com ninguém sobre a redução da meta de superávit primário", disse em entrevista a jornalistas.

Apesar da afirmação, o ministro foi questionado sobre o fato de que um novo alvo fiscal estaria em discussão, conforme relatos recentes de senadores sobre conversas com membros da equipe econômica.

Em resposta, Levy foi vago e disse apenas que o governo tem capacidade de fazer um fiscal bastante significativo e acrescentou que a transparência é um dos elementos mais importantes para a economia.

O alvo fiscal deste ano de 66,3 bilhões de reais, equivalente a 1,1 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), se mantém como um objetivo difícil de ser alcançado mesmo após uma série de medidas tributárias e de corte de gastos adotados pelo governo.

Em 12 meses encerrados em abril, essa economia de despesa para o pagamento de juros ficou negativa em 0,76 por cento do PIB.

Sobre novas ações para reforçar o caixa e um momento de forte restrição na arrecadação de tributos, Levy informou que o governo estuda a possibilidade de abrir o capital do Instituto de Resseguro do Brasil (IRB).

"Ainda é uma ideia e temos que ver o marco regulatório à frente. Temos que ter receita, mas também trazer dinamismo para diversos setores", comentou.

Em breve avaliação da conjuntura, o titular da Fazenda afirmou que a desaceleração da economia ainda não é decorrente do ajuste fiscal e que alguns riscos previstos no início do ano foram minimizados, citando como exemplo o risco de falta de energia elétrica e de água. Também disse que ficou para traz o risco da dívida da Petrobras.

"Em fevereiro, havia quem achasse que toda a dívida da Petrobras seria executada e esse é um risco que se diluiu."

inflação

Questionado se o governo poderá alterar a meta de inflação de 2017, ele disse apenas que o alvo será decidido pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

A meta de inflação do governo é de 4,5 por cento com dois pontos percentuais de intervalo para cima ou para baixo.

Ele considerou, no entanto, que pela primeira vez em vários anos, a projeção para a inflação no médio e longo prazo está voltando a ficar ancorada no centro da meta, citando como exemplo o ano de 2017.

"A inflação estava desancorada e agora volta à meta. Para 2016 também está convergindo."

Reportagem de Luciana Otoni

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below