ENFOQUE-Bovespa exige cautela com deterioração econômica, incerteza política e Fed

terça-feira, 23 de junho de 2015 18:25 BRT
 

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado acionário brasileiro embarca para o segundo semestre em clima desfavorável, pontuado pela deterioração da economia e pelo aumento da incerteza política, enquanto dúvidas quanto à alta taxa de juros nos Estados Unidos adicionam volatilidade.

No ano até o dia 22 de junho, o principal índice da Bovespa acumulou alta de 7,7 por cento, em grande parte devido à depreciação do real frente ao dólar. Quando medido na moeda norte-americana, o Ibovespa em 2015 caiu 7,3 por cento.

Para o estrategista do BTG Pactual Carlos Sequeira não há razões para se animar para a segunda metade do ano.

"Os indicadores econômicos ainda vão piorar e, no cenário político, há um elemento novo, difícil de mensurar, que são os desdobramentos da nova fase da Lava Jato".

A Polícia Federal prendeu na sexta-feira os presidentes da Odebrecht e da Andrade Gutierrez, as maiores construtoras do Brasil, entre outros executivos, acusados de envolvimento no esquema de corrupção na Petrobras.

Para o gerente de pesquisa da BB Investimentos, Nataniel Cezimbra, no atual cenário a baixa volatilidade da bolsa reflete o ambiente de investidores evitando assumir posições de compra ou venda. "O cenário ainda é desafiador", disse.

Em junho, o Ibovespa oscilou de 52.548 pontos a 54.351 pontos, considerando movimentos intradia. O giro financeiro médio diário ficou abaixo de 6,7 bilhões de reais, após média superior a 7 bilhões em abril e maio.

O economista Fabio Cardoso, da equipe do BB, diz que todas as variáveis apontam para estabilização na entrada de capital externo após forte entrada no primeiro semestre. No ano até o dia 19, o saldo ficou positivo em 21 bilhões de reais.   Continuação...