Economia dos EUA contrai levemente no 1o tri, mas atividade está se recuperando

quarta-feira, 24 de junho de 2015 10:56 BRT
 

Por Lucia Mutikani

WASHINGTON (Reuters) - A economia norte-americana registrou contração no primeiro trimestre, porém menos do que estimado anteriormente, uma vez que enfrentou clima desfavorável, dólar forte, cortes de gastos no setor de energia e paralisações nos portos da Costa Oeste do país.

O Departamento do Comércio informou nesta quarta-feira que o Produto Interno Bruto (PIB) caiu a uma taxa anual de 0,2 por cento no trimestre de janeiro a março, em vez da contração de 0,7 por cento relatada no mês passado.

Porém, o crescimento desde então se recuperou no segundo trimestre à medida que a pressão temporária das nevascas anormalmente pesadas e das disputas nos portos desapareceu. Varejistas registraram fortes vendas em maio e empregadores aceleraram as contratações. O setor imobiliário também está se fortalecendo.

Um ritmo de gastos dos consumidores mais forte do que estimado anteriormente foi o principal responsável pela revisão para cima. Os gastos de consumidores, que respondem por mais de dois terços da atividade econômica dos EUA, foi revisado para cima a um ritmo de expansão de 2,1 por cento, ante taxa de crescimento de 1,8 por cento informada no mês passado.

Com a poupança pessoal crescendo a um ritmo robusto de 720,2 bilhões de dólares, os gastos de consumidores podem acelerar no segundo trimestre. Os gastos podem ser impulsionados também pelo patrimônio crescente das famílias à medida que os preços de moradias avançam.

Apesar de o crescimento das exportações ter sido revisado para cima, isso foi compensado por uma revisão para cima também das importações, resultando num déficit ainda grande que tirou quase 2 pontos percentuais do PIB.

A revisão do PIB ficou em linha com expectativas de economistas.

  Continuação...

 
Contêineres no porto de Nova Orleans no rio Mississippi, na Louisiana, Estados Unidos. 23/06/2010. REUTERS/Sean Gardner