Marcelo Odebrecht fala em destruir email e cita presidente do BTG Pactual em bilhete

quarta-feira, 24 de junho de 2015 18:45 BRT
 

CURITIBA (Reuters) - O empresário Marcelo Odebrecht, preso desde a última sexta-feira, escreveu um bilhete aos seus advogados falando em "destruir" mensagem de email sobre sondas e citando o nome de André Esteves, controlador e presidente do BTG Pactual (BBTG11.SA: Cotações).

O texto escrito à mão por Marcelo Odebrecht foi disponibilizado no site da Justiça Federal do Paraná, nesta quarta-feira.

Executivos da Odebrecht, maior empreiteira do Brasil, são acusados de estar entre os protagonistas do escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras (PETR4.SA: Cotações), alvo da operação Lava Jato que investiga corrupção em contratos da estatal envolvendo funcionários da petroleira, executivos de empreiteiras, políticos e partidos.

No bilhete, Marcelo escreveu "destruir email sondas", em referência a documento eletrônico que motivou sua ordem de prisão pelo juiz Sergio Moro.

Para pedir a detenção do presidente da Odebrecht, o magistrado citou mensagem eletrônica enviada ao empresário e a outros executivos da Odebrecht a respeito de sobrepreço de até 25 mil dólares por dia em contrato de operação de sondas.

Segundo a advogada Dora Cavalcanti, que representa a Odebrecht e seus executivos, o bilhete de seu cliente foi mal interpretado. Ela disse que o verbo "destruir" foi usado no sentido de "explicar" ou "rebater" o conteúdo do email sobre sondas.

No manuscrito, o presidente da Odebrecht também sugere aos advogados que recuperem "história de iniciativa André Esteves".

Em seguida, Marcelo Odebrecht cita a "Sete", referindo-se à empresa de sondas Sete Brasil, fornecedora da Petrobras que enfrenta grave crise financeira e que tem a unidade de participações do BTG Pactual e clientes da gestora de recursos do banco como sócias.

A advogada da empreiteira confirmou que Marcelo Odebrecht está falando do presidente do BTG Pactual e da Sete Brasil para que se esclareça o contexto do email sobre sondas.   Continuação...

 
Empresário Marcelo Odebrecht é escoltado por policiais em Curitiba 20/6/2015  REUTERS/Rodolfo Burher