REEDIÇÃO-Aliviadas, empresas de educação elogiam renovação do Fies

sexta-feira, 26 de junho de 2015 21:05 BRT
 

(Altera no segundo parágrafo nome do presidente da Estácio para Rogério Melzi em vez de Melzio)

Por Juliana Schincariol

RIO DE JANEIRO (Reuters) - Empresas do setor de educação receberam com alívio e aprovação o anúncio de novas condições para o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies), já que temiam pela não renovação do programa devido às contingências fiscais do governo federal.

"Em algum momento aventou-se a chance de não ter o Fies no segundo semestre", disse à Reuters o presidente-executivo da Estácio, Rogério Melzi. "Isso (a renovação do programa) mostra a seriedade do Ministério da Educação no momento em que se disputa verbas orçamentárias com intensidade".

Segundo a Kroton, nos últimos meses o diálogo e a comunicação com o Ministério melhoraram bastante.

"A abertura de novas vagas para a segunda edição do Fies em um ano de ajuste fiscal e a indicação do Ministério em ofertar entre 310 e 350 mil vagas em 2016 revelam a importância estratégica do programa para o país", disse a empresa em nota.

No fim de 2014 foram editadas novas regras para o programa, sem negociação com entidades e empresas do setor, e no meio do processo de seleção de alunos, que não puderam se programar.

Além disso, a restrição de vagas e determinação de um prazo para inscrições, até então indeterminado, gerou instabilidade no sistema e caos entre os alunos.

"As regras estão mais claras e o número de novas vagas está caminhando para uma definição, mesmo a quantidade de vagas sendo menor. As instituições de ensino e os alunos terão como planejar suas atividades e alternativas de financiamento", disse o presidente do Grupo Ser Educacional, Jânyo Diniz.   Continuação...